Início / Arquivos de tag:

Arquivos de tag:

João Doria promete parceria com prefeito Luiz Maurício visando término do hospital e estadualização do AME

Com a parceria do João Doria vamos finalizar a obra do nosso Hospital e Estadualizar o AME. Sonho da nossa população e compromisso firmado. Acelera Peruíbe! Neste domingo, vote 45 João Dória Governador!

Luiz Maurício
Prefeito Municipal

Bíblia que Haddad ganhou de presente em Fortaleza é encontrada no lixo!

Editorial do Estadão destrói PT e Folha de S. Paulo com uma canetada só. “Lavou nossa alma”, dizem jornalistas independentes

Desafiamos você: PT sim ou PT não?

Lula admite derrota de Haddad

O chefe jogou a toalha

Por Maurício Lima, na Revista VejaA um interlocutor que foi visitá-lo na cadeia, Lula admitiu abertamente a derrota na eleição. Na visão dele, e da cúpula do PT, só um grande escândalo poderia mudar o resultado final.

Esta e outras notas com informações exclusivas na edição de Veja desta semana, já nas bancas.

Neste segundo turno, Peruíbe vai de “Bolsodoria”!

Universal rebate Haddad e lembra que Edir Macedo apoiou Lula

Igreja diz que candidato do PT desrespeitou fiéis ao dizer que ‘Bolsonaro é o casamento do neoliberalismo desalmado representado pelo Paulo Guedes, que corta diretos trabalhistas e sociais, com o fundamentalismo charlatão do Edir Macedo’

Haddad, acompanhado da mulher, Ana Estela, e da candidata a vice Manuela D’Ávila. Foto: Amanda Perobelli / Reuters

Do Portal Terra

A Igreja Universal do Reino de Deus rebateu, em nota divulgada nesta sexta-feira, 12, as críticas do candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad ao líder da igrejaEdir Macedo. Em entrevista ao participar de uma missa católica na zona sul de São Paulo, por ocasião do feriado de Nossa Senhora Aparecida, Haddad criticou o apoio do bispo à candidatura de Jair Bolsonaro, do PSL. “Bolsonaro é o casamento do neoliberalismo desalmado representado pelo Paulo Guedes, que corta diretos trabalhistas e sociais, com o fundamentalismo charlatão do Edir Macedo”, afirmou Haddad. No evento, o petista também chegou a discutir com uma fiel que o chamou de “abortista”.

“Com sua fala criminosa, o ex-prefeito de São Paulo desrespeita não apenas os mais de 7 milhões de adeptos da Universal apenas no Brasil, mas todos os brasileiros católicos e evangélicos que não querem a volta ao poder de um partido político que tem como projeto a destruição dos valores cristãos”, disse a Igreja em nota. “Quando o Bispo Edir Macedo apoiou o Partido dos Trabalhadores (PT) e o ex-presidente Lula, o apoio era muito bem-vindo. Agora, quando o líder espiritual da Universal declara que seu candidato é Jair Bolsonaro, o Bispo Macedo deve ser ofendido de forma leviana?”

Empenhado em fazer um aceno ao eleitorado religioso, Haddad já havia participado na quinta-feira, 11, de um encontro com a Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Durante a missa da manhã desta sexta, discutiu com uma fiel que disse que o petista não poderia ter participado da comunhão por ser “um abortista”. “Eu sou neto de um líder religioso”, respondeu o candidato e emendou: “Você deve ser ateia.”

Ao conversar com jornalistas, a mulher não quis se identificar e disse que a presença de Haddad no local era um sacrilégio. “A Igreja Católica não permite. Ele é um abortista, não tinha que estar aqui dentro”, afirmou. Durante a missa e após a cerimônia, a mulher fez filmagens, transmissões ao vivo pelo celular para uma rede social e disse que iria “denunciar” o ato.

Após a cerimônia, Haddad fez um discurso em frente à igreja pedindo apoio dos fiéis. “Nunca deixei de olhar todo mundo. Todo mundo é igual, ninguém é melhor do que ninguém”, disse.

Questionado sobre os ataques de Bolsonaro acusando a criação de um “kit gay” para ser distribuído nas escolas, Haddad retrucou: “É um grandessíssimo mentiroso. Porque ele não me enfrenta e pergunta isso num debate?”. “É uma mentira deslavada de quem não tem projeto para o País, a não ser armar as pessoas para que elas se matem.”

“O Brasil vota na Direita porque a Esquerda é ridícula”, diz Jornal italiano

‘São Paulo precisa de um gestor moderno e dinâmico’, diz Luiz Maurício em apoio a João Doria

Prefeito Luiz Maurício faz balanço do resultado das eleições e agradece votação recebida por seus candidatos

Irmão Marcos Ezequiel, da IAD/São Paulo, recomenda para você:

Atenção povo evangélico da região sul e sudoeste da Capital, do Vale do Ribeira e do Litoral Sul: Vamos eleger um homem de Deus para a Assembléia Legislativa de SP

‘Penso, logo sou’; mas… ‘ser ou não ser? – Eis a questão!”

Há menos de 24 horas do início das votações para as eleições, sinto cumprir-me o dever de dedicar algumas linhas para, quiçá, tentar amenizar as dúvidas que ainda podem estar atormentando cabeças e mentes algures.

Evidente que tenho de mim e para mim a consciência e a humildade de reconhecer não estar dentre os pensadores mais brilhantes neste país, ainda que no campo da política, e muito menos quando se fala em ilustrações sociológicas ou antropológicas. Porém poderia me ufanar por fazer parte de uma classe que não se enquadra àqueles chamados “analfabetos funcionais”, que são aqueles que até escrevem e leem, mas que têm dificuldade de interpretação e de análise sobre tudo que leem (quando leem), e até sobre o que ouvem e veem alhures.

Sendo assim, penso. E, se penso, logo existo, para repetir René Descartes, muito embora seja muito mais correta a tradução do famoso “Cogito, Ergo Sum” como sendo “penso, portanto sou”.  A importância do “ser” é tão significativa que, para terem uma ideia, quando inquirido por Moisés sobre seu nome, ou sobre quem era, o próprio Deus foi peremptório: “Eu Sou o que Sou”, e seguiu dizendo: “Quando os filhos de Israel perguntarem quem o enviou para libertá-los, você assim lhes dirá: ‘Eu Sou me enviou a vós!”. (cf. Ex. 3.14).

Não! Longe de mim vangloriar-me por estar dentre os que pensam, ou, como queria Descartes, dentre os que são. Não pode ser vaidade aquilo que deveria ser obrigação de todo ser humano, desde o mais rude ao mais intelectual, desde aquele que teve oportunidade e acesso aos bancos escolares, até aquele cuja vida tem sido movida pela sabedoria passada e repassada de pai para filho, gerações a fio.

Mas, o que vemos no Brasil de hoje, graças ao aparelhamento do Estado e à doutrinação da sociedade pelo ideário socialista e comunista que comandou nosso país nas últimas décadas (e aqui estou com Olavo de Carvalho que lembra que a esquerda de viés marxista, seja cubano, soviético, chinês ou norte-coreano comanda Imprensa e o processo educacional no Brasil desde antes de 1964, e assim se manteve por todo o chamado “período militar”, e assim continua até hoje, e de modo muito mais enfático nos últimos anos comandados pelo establishment petista), o que vemos, e sobretudo sentimos, amargamente sentimos, eu diria, é que cresceu assustadoramente o número dos chamados “analfabetos funcionais” que – pasmem! – enchem até mesmo corredores de universidades, notadamente as públicas por todo canto deste Brasil varonil.

A catarse de Aristóteles parece ter se generalizado pela tragédia do abismo para onde todos estamos seguindo, ainda que contra a vontade. E esta tragédia é daquelas tragédias anunciadas, com exemplos marcantes e recentes, e muito próximos de nós, como aquilo que podemos ver acontecendo na Venezuela de hoje, por exemplo.

A questão é que o eleitorado (e aqui subtraio o eleitorado do restante da sociedade, por ser este aquele que decide nosso futuro pela força do voto), ainda que veja, ainda que leia, ainda que ouça, parece envolvido numa espécie de letargia sócio-política que o impede de discernir entre o que seja verdade e o que seja mentira. As evidências deixam de ter importância para parcela significativa do eleitorado quando, movidos por campanhas de propaganda em favor deste ou daquele pensamento político, passam a recear perder privilégios, por exemplo, privilégios estes no mais das vezes particulares e mesquinhos.

Entre a tragédia de Aristóteles e o drama de Shakespeare, esta porção dos que decidem por todos nós – livres pensadores ou não – escolhe a tragédia. O caos passa, por assim imaginar, a ser como uma espécie de “buraco negro” cuja força gravitacional põe em risco até mesmo o que de mais precioso existe no homem (no sentido antropológico), e na mulher (como queiram as feministas) que são os sentimentos.

Ora, se para Descartes, eu passo a ser exatamente porque penso, seria justo que a dúvida shakespeariana – ao menos ela – fosse o divisor entre a indecisão e a decisão sobre como proceder diante de situações tão nevrálgicas e emergentes como as de uma eleição como esta da qual participaremos amanhã. Afinal, a questão tem que ser – ou teria que ser – essa: “ser ou não ser; eis a questão!”.

O analfabeto funcional se evidencia, por pressuposto, pela preguiça de pensar. E, porque tem preguiça de pensar, de ler, de meditar, de inquirir, de buscar até mesmo no Google a coleção de informações da qual se pode garimpar a preciosidade da verdade, não faz outra coisa que contribuir para que o status quo ante se perpetue, permaneça e, em alguns casos, até piore.

E assim vemos uma massa disforme crendo serem mentiras as verdades que impuseram condenação e pena de prisão aos líderes petistas, pelo mesmo turno que creem de maneira até doentia que são verdade as mentiras que a propaganda petista impõe a seus desafetos políticos.

Uma das características deste eleitorado massacrado pela lógica de Goebbels, que a esquerda sabe muito bem aplicar em sua propaganda política e nos discursos inflamados, é a ambiguidade. Joseph Goebbels – o ministro da propaganda de Hitler e do nazismo – dizia que “uma mentira contada mil vezes torna-se verdade”; e acrescentava: “Minta, minta, minta, que algo cairá – quanto maior seja uma mentira, mais gente acreditará nela!”. E não outro que o próprio Adolf Hitler seguia lembrando que “se você pegar uma mentira grande, simplifica-la, e passar a afirma-la, todos acreditarão nela!”.

A “escola” deste tipo de doutrinação foi regiamente aprendida por Lula, por exemplo, quando confessou por inúmeras vezes que mentia para obter vantagens, sejam elas lícitas ou não. O exercício da mentira repetidas assim de modo tão ininterrupto parece mesmo ter ofuscado, por extensão, o eleitorado, que hoje mal se sabe dizer se é, afinal, do PT, ou se é mesmo só de Lula.

A ambiguidade a que me referi dois parágrafos acima transforma este nosso povo simplório em combustível para o anedotário político brasileiro. São, por assim dizer, como barcos de papéis singrando nas ondas do discurso dos caciques petistas, comunistas, socialistas, e até mesmo – por que não – de alguns partidos do chamado “centrão”, e mesmo de alguns direitistas mais exaltados.

A moda é acreditar. Mas acreditar apenas no que interessa não a mim ou a você, mas ao que interessa aos manipulares das massas. Se a manchete do Jornal Nacional ou da Revista Veja é favorável a Lula e ao PT, a Imprensa está seguindo o estrito compromisso com a “verdade”; se for contrária, a Imprensa é comprometida com a Direita e, portanto, “comprada”. Se a minha manifestação nas redes sociais é favorável à onda petista, eu sou amigo e colaboro com a “verdade”; se destaco as evidências escancaradas pelos fatos, deixo de ser amigo, e passo a ser hostilizado. Se o juiz, apoiado pelas provas colhidas por inquéritos policiais e por denúncia do ministério público, condena, ele está a serviço do capitalismo; se um procurador atende um pedido extemporâneo de liberdade para seu líder, esse “é o cara”. E por aí vai.

Fico triste quando vejo pessoas de meu convívio, que sei serem inteligentes o bastante para poderem pensar – ou, como queria Descartes, para “serem”, não conseguirem aferir, distinguir entre o bem e o mal. Chego a imaginar que estas, ao deitarem, não conseguem conciliar o sono sem ao menos por um instante duvidar de tudo aquilo que ouvem os outros dizerem, sem ao menos se preocuparem por um momento que seja sobre a que rumo estamos seguindo com nossas decisões tão pura e simplesmente ditadas e até ordenadas pelo pensamento alheio.

Oxalá que o dia de amanhã, este tão emblemático 7 de outubro de 2018, seja dia de redenção para o nosso país, para nossas crianças, para o nosso futuro, para nós mesmos. Afinal, somos ou não somos? Existimos ou não existimos?

Deus se compadeça do povo brasileiro. Deus se apiede do Brasil. Deus tenha compaixão de nós. Deus nos ilumine a mente e os corações amanhã. Kyrie Eleison!

Washington Luiz de Paula

Prefeito Luiz Maurício indica candidatos de diversos partidos que ajudam e têm compromisso com Peruíbe. Confira.

Tomo aqui a liberdade de indicar alguns candidatos que estamos apoiando nessa eleição. São candidatos de partidos diversos, mas que possuem relação próxima com a cidade e com a nossa administração.

A eleição deles pode ajudar bastante a nossa região e, principalmente, a nossa cidade, para a vinda de recursos e defesa de nossos interesses.

Conto com o apoio de todos. Abraços!

Luiz Mauricio

“Domingo é dia de decidir o futuro do nosso país”, lembra o prefeito Luiz Maurício

Urnas eletrônicas – Operação Antifraude. É importante que você saiba disso! Compartilhe já!

Na reta final da campanha, Bolsonaro envia mensagem para o povo brasileiro. Veja. Ouça.

Em gesto bonito de lealdade política e de amigo, prefeito Luiz Maurício aposta em Geraldo Alckmin até o último minuto: “O único que pode vencer o PT no segundo turno”, diz.

É #FAKE que maioria dos votos nulos anula eleição e impõe novo pleito com outros candidatos

Consultoria Eurasia discorda do Ibope e vê Bolsonaro presidente

De O Antagonista

Novo relatório da consultoria Eurasia aponta vitória de Jair Bolsonaro sobre Fernando Haddad no segundo turno, com 55% dos votos.

Já o Ibope, na pesquisa divulgada ontem, aposta numa vitória do petista com 43%. O próprio Ibope, na pesquisa anterior, havia indicado um empate entre os dois candidatos.

Para a Eurásia, a rápida melhora do estado de saúde de Bolsonaro aumenta suas chances.

“Embora não acreditemos que ele participará de eventos de campanha em locais abertos, ele parece saudável para começar a gravar vídeos para televisão e mídias sociais em uma tentativa de reduzir sua rejeição, que aumentou na pesquisa Ibope de 42% para 46%”, diz o relatório.

A consultoria acredita que a dinâmica eleitoral tende a favorecer mais Bolsonaro no segundo turno.

“Em um momento no qual os eleitores estão procurando um presidente que represente a mudança do atual establishment político, que reduzirá a corrupção e o crime, Bolsonaro pode explorar tanto sua falta de envolvimento com a Lava Jato, quanto sua posição linha dura contra os criminosos para ganhar votos de centro-direita e anti-PT. Além disso, em um eventual segundo turno, ambos os candidatos dividem 50% do tempo da televisão, dando a Bolsonaro muito mais exposição para se defender e atacar o fraco histórico de corrupção do PT”, escreve a Eurasia.

Exclusivo JP – Augusto Nunes ouve Bolsonaro falando pela primeira vez após atentado. Vídeo

Usuários que comemoraram atentado a Bolsonaro responderão ao TSE

A coligação de Bolsonaro foi ao TSE para questionar a veiculação dessas mensagens e identificar quem foram os autores das publicações.

Do Portal Terra

O ministro Carlos Horbach, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), determinou nesta sexta-feira que o Twitter repasse dados de 16 usuários do Twitter que comemoraram o ataque contra o candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, há duas semanas em um ato de campanha em Juiz de Fora (MG).

O magistrado negou recurso do Twitter e deu dois dias para que a empresa forneça as informações, sob pena de aplicação de multa diária de 50 mil reais e ainda poder responder pelo crime de desobediência a uma determinação da Justiça Eleitoral, delito que tem como sanções prisão de responsáveis e outras punições de ordem financeira.

O candidato estava sendo carregado por apoiadores quando levou uma facada na barriga, Foto: AFP / BBC News Brasil

A coligação de Bolsonaro foi ao TSE para questionar a veiculação dessas mensagens e identificar quem foram os autores das publicações. Em parecer favorável ao pedido da chapa do candidato do PSL, o Ministério Público Eleitoral destacou que o pedido também poderá levar a se propor ações de crime contra a honra ou eleitorais contra os responsáveis pelas mensagens.

“Nesse contexto, evidente que os dados cujo fornecimento foi expressamente determinado à embargante são imprescindíveis à instrução do feito e necessários ante a eventual responsabilização dos usuários em eventual decisão de mérito pela procedência do pedido, não havendo contradição a ser sanada”, decidiu Carlos Horbach, em decisão a que a Reuters teve acesso.

Anteriormente, o TSE já havia determinada a retirada do conteúdo postado nessa rede social.

Veja também:

Bolsonaro anuncia general Mourão como vice

Candidato participou de convenção do PSL em SP. Anúncio formal será feito à tarde na convenção do PRTB, partido do general da reserva.

O candidato à Presidência pelo PSL, Jair Bolsonaro, posa para foto ao lado do general Mourão durante sua posse na presidência do Clube Militar, no centro do Rio de Janeiro, em junho de 2018 (Foto: Fábio Motta/Estadão Conteúdo)

Do G1 São Paulo

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSL) anunciou na manhã deste domingo (5) o nome do general da reserva Hamilton Mourão (PRTB) como seu vice na chapa para concorrer à presidência da República.

Bolsonaro participou da convenção do PSL estadual no Clube Guapira, na Zona Norte de São Paulo. Disse que o nome do vice será anunciado oficialmente à tarde na convenção do PRTB juntamente com Levy Fidelix e do senhor general Hamilton Mourão.

No discurso, Bolsonaro agradeceu ainda a advogada Janaína Pachoal e o príncipe Luiz Philippe de Orleans e Bragança, que tiveram nomes cotados para ser o vice na chapa. Janaína alegou questões familiares e recusou neste sábado (4) o convite para ser vice de Jair Bolsonaro (PSL) na disputa presidencial.

Em nota, o PRTB disse que “o general Hamilton Mourão está confirmado como vice de Jair Bolsonaro na corrida à presidência da República”.

Antonio Hamilton Martins Mourão é gaúcho de Porto Alegre, tem 64 anos. Entrou para o Exército em 1972 e ficou na ativa até fevereiro de 2018. Ele ganhou notoriedade em 2005, quando estava no Comando Militar do Sul. Ele tinha feito críticas ao governo da presidente Dilma Rousseff e dito, durante uma palestra no Centro de Preparação de Oficiais da Reserva (CPOR) em Porto Alegre, que é preciso um “despertar para a luta patriótica” como saída para crise política do país.

Após as críticas, Mourão foi exonerado do cargo e designado para assumir uma posição na Secretaria de Economia e Finanças do Exército.

Por que a Nova Ordem Mundial tem interesse em voto branco ou nulo nesta eleição.

Caravana 45 – Conversa São Paulo tem lugar na Praia Grande, neste dia 24

Joomla extensions, Wordpress plugins