Arquivos de tag:

Mix de pimentas (creme caseiro) a partir de R$ 6. Aproveite

Preparando hoje à noite mais uma safra do meu mix de pimentas. Um saboroso creme composto de pimentas malagueta, cumari, cumari do norte, bode, de cheiro, dedo de moça, habanero, tabasco, fidalga, chocolate, e a “perigosa” buth jolokia, considerada a pimenta mais ardida do mundo.

Estou aceitando encomendas.

  • Vidro com 200ml = R$ 6,00
  • Vidro com 250ml = R$ 8,00
  • Vidro com 300ml = R$ 10,00

Atendimento pelo WhatsApp 11 9 4450 7258 ou e-mail [email protected], ou Skype mrwash.

Caseiro admite assassinato de microempresária em Peruíbe

Eduardo Velozo Fuccia, em A Tribuna

O caseiro Marcos Fábio Dias de Souza, de 39 anos, admitiu na tarde desta terça-feira, diante de jornalistas, a autoria do assassinato da microempresária Ruth Rodrigues, de 56 anos. A confissão foi dada no Departamento de Polícia Judiciária do Interior-6 (Deinter-6), em Santos.

“Eu me arrependi de ter matado, mas sobre o motivo só falarei em juízo. Não premeditei nada e só posso dizer que me desentendi e perdi a cabeça. Não existe nada de estupro. Isso não faz parte da minha história. Também não fugi, apenas resguardei a minha família”.

A pedido do delegado Francisco Wenceslau, da Delegacia de Peruíbe, a Justiça decretou a prisão temporária de 30 dias de Marcos. Ele foi capturado na madrugada do último sábado na Rodoviária Novo Rio, na capital fluminense, após negociar por telefone a sua entrega à polícia.

O próprio delegado foi ao Rio acompanhado do investigador Luiz Roberto Fonseca e outros policiais. Na viagem de regresso ao Litoral Sul, eles já começaram a indagar o acusado, que admitiu ser o único autor da morte da vítima.

Ruth residia na Vila Matilde, na Zona Leste de São Paulo, mas tinha uma residência de veraneio no Jardim Guaraú, em Peruíbe, da qual Marcos era caseiro há cerca de dois anos e meio. Apesar de ele eximir a sua mulher, Carlla Sales Nunes Paraízo, de 28 anos, de qualquer ligação com o homicídio, Wenceslau também pediu à Justiça a prisão dela.

Arma usada

Um cinzeiro na forma de carranca de madeira maciça, pesando 1,9 quilo e com cerca de 40 centímetros foi a arma utilizada pelo caseiro para matar a microempresária, segundo ele disse aos policiais e aos jornalistas. Ainda conforme o acusado, durante a discussão que ele teve com a vítima, cujo motivo não revelou, Ruth Rodrigues lhe deu as costas, sendo atingida por um único golpe na cabeça, um pouco acima da nuca.

Essa versão é amparada pelo o que o médico Albino Padeiro, do Instituto Médico-Legal (IML) de Praia Grande, atestou no exame necroscópico. Segundo o legista, a vítima sofreu um golpe na região posterior (de trás) da cabeça com o emprego de um taco ou instrumento maciço de madeira ou ferro. A carranca usada no homicídio não foi apreendida.

Crime

Ruth foi morta na segunda-feira da semana passada, por volta das 11 horas, momentos após chegar ao imóvel de temporada. O corpo, porém, só foi encontrado no dia seguinte em uma mata próxima à Praia do Caramborê e às margens da Estrada de Barra do Una.

Na mesma data da localização do cadáver, no Bairro Santa Cruz, perto da divisa com Itanhaém, foi achado o Fiat Doblô da microempresária. O veículo fora incendiado e as chamas o destruíram por completo e ainda causaram a explosão do tanque de combustível.

Preso caseiro que confessou ter matado a patroa em Peruíbe

Secretaria da Segurança Pública do Estado de São Paulo

A Polícia Civil prendeu o caseiro acusado de matar uma microempresária na semana passada, no município de Peruíbe – distante 141 quilômetros da Capital. O carro da mulher foi encontrado incendiado e o corpo, num palmital.

O acusado M.F.D.S., de 39 anos, foi detido no dia seguinte ao crime (15), na cidade do Rio de Janeiro. Ele foi ao outro estado para se esconder na casa de parentes, mas lá acabou se entregando à polícia.

O caseiro, nascido em Pernambuco, contou que cometeu o delito porque a vítima o chamou de “nordestino” usando um tom preconceituoso, fato que o deixou ofendido.

A investigação, entretanto, apontou que M.F.D.S. e a vítima discutiram por um possível envolvimento do acusado com o tráfico de drogas. Ela suspeitou que ele estaria alugando seu imóvel para criminosos.

Com uma escultura de madeira maciça (conhecida como carranca), o caseiro agrediu a microempresária na parte de trás da cabeça, o que causou uma hemorragia. R.R., de 56 anos, morreu na hora.

Segundo o delegado Aldo Galiano Junior, diretor do Departamento de Polícia Judiciária do Interior 6 (Deinter – 6), ele amarrou o corpo em sacos plásticos e o envolveu em panos que estavam no varal.

Em seguida, de acordo com as apurações da Polícia Civil, o acusado lavou o local do crime com água sanitária, sabão e água.

Corpo encontrado

Vinte minutos após o delito, o caseiro colocou R.R. dentro do Fiat Doblô verde, da própria vítima, e abandonou o corpo numa área de vegetação próxima à praia do Caramborê.

Cortadores de palmito, que trabalham na região da beira da estrada, encontraram o cadáver por volta das 11 horas de terça-feira (15) e chamaram a Polícia Militar.

Um boletim de ocorrência de desaparecimento da mulher havia sido registrado no dia anterior por seu marido e pelo próprio acusado. Os PMs notaram que as características do corpo eram semelhantes às da microempresária.

“O indiciado foi até a delegacia registrar o caso do sumiço da mulher que havia matado, junto com o marido da vítima, que é um comerciante de 76 anos”, contou Galiano. O esposo foi ao local e reconheceu o corpo.

A necropsia realizada pelo Instituto Médico Legal (IML) mostrou que a causa da morte foi hemorragia – decorrente da agressão.

Carro incendiado

Ao mesmo tempo em que uma equipe da 3ª Companhia do 29º Batalhão de Polícia Militar do Interior (BPM/I) encontrava o cadáver, o Corpo de Bombeiros apagava o fogo ateado em um carro. O veículo era o Fiat Doblô da microempresária.

O suspeito havia deixado o carro na Rua Oito, no bairro de Santa Cruz, em chamas. Dentro dele, peritos do Instituto de Criminalística (IC) encontraram um cobertor azul com manchas de sangue.

Fuga e prisão

Na madrugada de terça para quarta-feira (16), mais de 24 horas depois do homicídio, M.F.D.S. decidiu se esconder na casa de parentes. Foi até a rodoviária e embarcou para o Rio de Janeiro, com sua esposa e filha.

O homem resolveu de entregar à polícia assim que soube que era apontado como o principal suspeito do crime. Uma equipe da Polícia Civil foi à cidade carioca, prendeu o acusado e o levou a um Centro de Detenção Provisória (CDP) paulista.

O caseiro responderá por homicídio qualificado (pena que vai de 12 a 30 anos), ocultação de cadáver (de 1 a 3) e fraude processual – modificação de local de crime (de 6 meses a 4 anos e multa). As investigações prosseguem.

Assessoria de Imprensa e Comunicação da Secretaria da Segurança Pública
Rua Líbero Badaró nº 39 – Centro / Telefone: (0xx11) 3291-6685
Portal: www.ssp.sp.gov.br

Monitor esfaqueia caseiro e acaba preso em Peruíbe

Após a tentativa de homicídio, o próprio rapaz ligou para a polícia e confessou a autoria do crime
(Foto: DIvulgação)
Natan Silva Lopes, de 20 anos, sendo levado para a delegacia. Ele já conta com duas passagens por homicídio

Por Thales Mauá, da Reportagem do Diário do Litoral

Uma hora após tentar assassinar um caseiro, o monitor Natan Silva Lopes, de 20 anos, ligou para a polícia, confessou a autoria do crime e se entregou. A tentativa de homicídio ocorreu no final da tarde de sábado (8), em Peruíbe.

A vítima, Francisco Carlos Martins, de 53 anos, foi atingida com um golpe de facão no pescoço e está internada em estado grave na UTI do Hospital Regional de Peruíbe.

Descrito como sendo uma pessoa fria e calculista, Natan já conta com duas passagens na Justiça por homicídio. Por volta das 16h30, o monitor foi até a residência da vítima, em uma travessa próxima a Estrada Armando Cunha, na Vila Peruíbe. Segundo explica Natan em seu relato à polícia, ele teria sido chamado por Francisco para ir até o local e realizar um serviço de pedreiro. Ao chegar à residência, Natan teria encontrado um corpo e notado que havia caído em uma armadilha.

O acusado informou que além de Francisco, outras duas pessoas estavam no imóvel. Ao perceber a possível situação de risco que corria, Natan tentou fugir da casa e foi abordado por Francisco. Ainda segundo o monitor, eles teriam entrado em luta corporal e Natan pegou um facão golpeando a vítima. Em seguida, o acusado fugiu da residência.

Francisco foi socorrido por uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e encaminhado ao Hospital Regional de Peruíbe.

Logo depois, Natan ligou para a Delegacia Sede de Peruíbe questionando se alguma ocorrência de homicídio havia sido registrada na unidade policial. Em conversa com um escrivão, o monitor informou que era o autor da tentativa de assassinato e combinou de se entregar próximo ao local do ataque, na Estrada Armando Cunha.

Corpo não encontrado

Segundo o chefe dos investigadores da Delegacia Sede, Luiz Fonseca, até o momento nenhum corpo foi localizado na residência da vítima. De acordo com Fonseca, investigações foram iniciadas para esclarecer a real motivação do ataque. “A história que o Natan não bate com que vimos. Está estranho isso ainda”, pontua.

O delegado entrará hoje com pedido de prisão preventiva para o acusado. A captura de Natan foi realizada pelos policiais Márcio, Adão e José Ricardo, sob o comando do delegado Francisco Wenceslau e do chefe dos investigadores, Luiz Fonseca.

Acidente mata caseiro de autor de novelas da TV Globo

Agência Estado, no Diário do Grande ABC

Um acidente na chácara do autor de novelas da Rede Globo de Televisão Benedito Ruy Barbosa causou a morte do caseiro Carlos Gilberto Fogaça, de 49 anos, no final da tarde de quinta-feira, em Sorocaba (SP). O trator que o empregado conduzia caiu numa vala e o caseiro teria sido prensado pelo veículo. O escritor não estava na chácara e foi avisado do ocorrido por familiares da vítima.

De acordo com informações da Polícia Militar, o caseiro saiu da casa em que morava, no interior da propriedade, no bairro Iporanga, para fazer a limpeza do terreno com um roçadeira engatada no trator. Passadas algumas horas, a esposa do empregado estranhou sua demora. Ela saiu para procurá-lo e encontrou o trator tombado sobre o corpo já sem vida. De acordo com os policiais que estiveram no local, Fogaça estava com um celular na mão, o que indica que pode ter tentado pedir ajuda. A Polícia Civil abriu inquérito para apurar as causas do acidente.