Aos 58 anos, Wanderlei de Paula trava luta feroz contra a ELA

Wanderlei continua lutando contra a ELA

Vaquinha é lançada para mandar Wanderlei de Paula para se tratar nos Estados Unidos

Resultado de imagem para vakinhaDa Redação

Nosso irmão e amigo Wanderlei Abrahão de Paula continua na sua luta titânica – quase desesperada – em busca de tratamento que amenize os efeitos e estanque o avanço da doença que o acometeu em 2015.

Portador de Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA), uma grave e cruel doença neurodegenerativa que atinge uma em cada 100.000 pessoas no Brasil, Wanderlei, que todos conheceram como um entusiasta do futebol e do carnaval em Peruíbe, agora está entregue a uma cadeira de rodas, e aos cuidados permanentes de enfermeiras e cuidadores, custeados pelo plano de saúde.

Um dos efeitos mais dolorosos desta enfermidade é aquele que atinge os familiares próximos. Os relatos da Medicina, cujos cientistas buscam freneticamente pelo descobrimento da causa e, consequentemente, da cura, dizem que familiares próximos (cônjuges, filhos, pais, irmãos) sofrem tanto quanto o paciente, por isso o recomendável é acompanhamento psicológico de todos. No caso do Wanderlei, a recomendação médica deixou de ser seguida, e restou que ele acabou abandonado pela esposa e distanciado dos filhos, o que agravou sensivelmente o estado emocional e físico dele. Hoje, Wanderlei mora com a mãe, e tem seus irmãos e alguns amigos sempre muito próximos para um abraço e o conforto do carinho e das orações.

Esperança

Como numa corrida contra o tempo, Wanderlei reserva todo o tempo em que pode estar à frente do computador para buscar novidades de medicações e tratamentos para ao menos minorar o sofrimento, e oferecer qualidade de vida.

Um desses tratamentos é o que envolve um equipamento desenvolvido por um anestesiologista brasileiro – o Dr. Marc Abreu. Por esse equipamento é possível fazer um tratamento a partir da medição da temperatura cerebral, o que pode inclusive, em alguns casos, fazer regredir alguns dos efeitos da doença, principalmente no que diz respeito à fala e ao andar (veja vídeo no final desta matéria).

A questão é que o Dr. Marc Abreu e equipe atuam nos Estados Unidos, o que demanda a locomoção do paciente até lá. Por outro lado, o tratamento não é barato se considerarmos a realidade brasileira. Ainda não se tem um valor exato do custo do tratamento, nem uma certeza de que tipo de melhora Wanderlei poderia experimentar caso fosse se tratar com o Dr. Marc Abreu, mas o investimento pode ultrapassar facilmente a casa dos R$ 200.000,00.

Foi pensando nisso que o próprio Wanderlei lançou uma “vaquinha virtual” para buscar ajuda entre seus amigos, conhecidos e até desconhecidos e anônimos na tentativa de levantar o capital necessário para ir lá os Estados Unidos se tratar.

A vaquinha está sendo administrada pelo site Vakinha. Para participar basta entrar no site através do link http://vaka.me/861793, e clicar em “Contribuir”. Após isso você escolhe o valor a partir de R$ 25,00, e pode fazer seu pagamento através de boleto, cartão de crédito ou transferência via Paypal ou Picpay. Você não precisa se identificar. E, querendo, pode deixar uma mensagem para o Wanderlei.

As doações são repassadas diretamente para a conta do Wanderlei, não havendo interferência nem mediação de terceiros neste processo.

Veja o vídeo. Contribua clicando em http://vaka.me/861793. Colabore divulgando e compartilhando esta matéria para seus contatos nas redes sociais.

Leia também:

Hospitais de Itanhaém e Bertioga atingem 100% de ocupação em leitos de UTI Covid-19

Pacientes que precisarem de internação serão transferidos para outros hospitais. Veja a situação de cada …