Início / EDITORIAIS / Luiz Maurício – 39 anos de paixão por Peruíbe
SONY DSC

Luiz Maurício – 39 anos de paixão por Peruíbe

SONY DSC

Ao longo desta minha existência enquanto escriba tenho alimentado o hábito de tecer homenagens póstumas às pessoas que, mesmo não sendo necessariamente amigas de meu convívio, têm deixado para nossa história e – de resto – para a história da cidade – aquele “quê” que as notabilizaram enquanto estavam em nosso convívio.

É curioso que, de modo geral, as pessoas restem lembradas apenas quando partem justamente para serem esquecidas, como de fato são, ou acabam sendo, demorando pouco tempo apenas depois que morrem. Considerando também que basta você morrer para se tornar “bom” e de “saudosa memória”, soa um tanto quanto hipocrisia render loas a torto e a direito, algures, a este ou aquele falecido, esta ou aquela falecida.

Hoje descubro-me na contramão deste meu quase vício. Este dia 23 de fevereiro vai terminando, faltando pouco para que seja “ontem”, e decido considerar honra a quem os homens e mulheres de bem e de bons costumes desta cidade devem honra, senão por este ser seu dia especial para rememorar nascimento tido e havido há 39 anos atrás, o que talvez importe apenas para familiares e amigos mais chegados e íntimos, ao menos para aproveitar o momento de festa para agradecer por estar sendo prefeito, senão melhor, ao menos não pior, e, deveras, diferente de todos os demais que se assentaram na cadeira em que hoje ele mesmo se assenta.

Evidente que as palavras podem reverberar o som da seda se rasgando para dar efeito especial e deslumbrante ao que o momento requer, e não escapo eu – nem tento escapar – de ser lançado ao mar daqueles que não demorarão para lançarem sobre mim o epíteto de “puxa-saco”, sabido como sei que estes são aqueles que assim agem porque, no mais das vezes são despeitados por não poderem contar com o prestígio de estarem próximos dos detentores do poder municipal ou mesmo por não conseguirem, por mais que se esforcem, escrever duas linhas que ofereça sentido qualquer ao que pretendem expressar.

Mas, não me importo. Falem o quanto quiserem de mim, ainda que falem mal ou bem. Se falarem bem, que o falem ainda que na minha ausência; se a reunião for para falar mal de mim, me chamem, posto que sei de coisas horríveis a meu respeito!

O que gostaria de dizer ao prefeito Luiz Maurício neste seu dia de aniversário poder-se-ia resumir em duas palavras singelas: Muito obrigado! Foi a mensagem que passei a ele ainda as 5hs da manhã deste dia 23, via WhatsApp. E replico aqui: Muito obrigado, prefeito, pelo bem que você vem fazendo a Peruíbe, porque fazendo bem a Peruíbe, a mim e à minha família também faz bem!

Dirão os algozes de plantão: agradecer por não fazer mais do que a obrigação dele? Não! Agradecer por ser, por estar sendo diferente.

Eu não sei exatamente o que vai na mente do prefeito Luiz Maurício, de repente se contrapondo ao Luiz Maurício até meses atrás vereador durante um governo de difícil esquecimento, ou ainda do advogado, do homem, do chefe de família Luiz Maurício Passos de Carvalho Pereira. Quais são seus dilemas? Quais seus dramas? O que gostaria de ter já ter feito que ainda não pode fazer? O que gostaria de fazer, mas que já sente que não terá condições ou tempo de fazer? O que é, afinal, administrar um orçamento realizado em apenas metade dele, do qual subtraem-se obrigações com folha de pagamento de pessoal, percentuais obrigatórios para a educação, saúde e legislativo, restando pouco para se fazer tudo o mais que se precisa fazer para manter a máquina pública funcionando?

Como é ser prefeito diante de uma plebe que nunca está contente com nada, muitos dos quais até nos fazendo ter a impressão de que fazem força para ficarem doentes só para “provarem” que a saúde não funciona (sic)? Será que tinha razão o filósofo Raul Seixas ao dizer que “mamãe, não quero ser prefeito, pode ser que eu seja eleito, e alguém pode querer me assassinar”?

Pois é, meus senhores, e minha diletas senhoras. Não é tarefa fácil ser prefeito. Quem acha que o salário de prefeito justifica os aborrecimentos do cotidiano de quem tem a responsabilidade de gerenciar uma cidade, é vítima de ledo engano. Quem acha que faria mais e melhor se na cadeira de prefeito estivesse sentado, engana-se também. Estar prefeito é viver o drama de Dâmocles: será mesmo que compensa este e tal poder?

Lamentavelmente a classe política brasileira pouco ou nada tem contribuído para que o povo melhore seu conceito. Mas é preciso que se diga que ainda há homens e mulheres sérios e sérias em todas as esferas do poder, seja em Peruíbe, São Paulo, ou mesmo em Brasília. São poucos, convenhamos, mas convenhamos também que são estes que buscam empreender uma batalha hercúlea para provar que é possível sim fazer a diferença para que o Brasil melhore, e, no nosso caso presente, a começar por Peruíbe.

E vejo que este jovem advogado, filho de um proeminente operador do Direito de nossa cidade, faz e tem feito todo o empenho para provar que tudo que se pode fazer para provar o seu amor e a sua paixão por Peruíbe, ele tem feito, e com notável efeito sobre a cidade e sobre o município que tem ares de efetiva melhora desde sua aparência até no que diz respeito aos meandros da administração pública municipal.

Pouco dado a foguetórios, amigo da discrição, homem simples que prefere o Guaraú a Campos do Jordão ou os Estados Unidos, inimigo daqueles que buscam favores visando benefícios próprios ou particulares, Luiz Maurício tem conseguido fazer, em ano e meio de governo, o que muito dos seus antecessores sequer tentaram fazer em quatro ou mais anos enquanto prefeitos ou prefeitas.

E vejo que o resumo desta sua paixão desmedida por Peruíbe pode ser vista não só em sua participação in loco em cada uma das manifestações artísticas e culturais encetadas por gente da própria cidade, mas em sua sui generis manifestação pública em artigo publicado em A Tribuna (veja íntegra aqui) no qual fala de seu “orgulho de ser Peruíbe”.

Os revezes políticos parecem terem sido vencidos desde quando me vi na contingência de escrever, em julho do ano passado, editorial no qual relatei que “Enquanto os cachorros latem, Luiz Maurício passa”. Se isto de fato se deu, já não era sem tempo. Não há força política, de centro, esquerda ou direita em uma cidade que não precise que em sua cidade tudo esteja funcionando direitinho. Esse negócio de torcer pelo quanto pior, melhor, é o mesmo que acreditar que tenha gente com prazer de deliberadamente dar tiro no próprio pé. E, convenhamos, não há representante de qualquer destas forças políticas em Peruíbe que não veja que Peruíbe mudou, e que mudou para melhor!

Neste dia de seu aniversário, prefeito Luiz Maurício, quem ganha o presente somos todos nós! E a sua presença como elemento gestor de nosso destino, considera a seriedade com que tem tratado a coisa pública, é, de fato, o nosso melhor presente!

Deus o abençoe e o ilumine sempre. E que o povo desta cidade, se mais não puder fazer, ao menos continue rogando a Deus por proteção e providência para não lhe falte força, coragem, determinação e vontade, muita vontade de continuar apaixonado por Peruíbe, e oferecendo do seu melhor para este povo que por 59 anos vem buscando viver de, com e para Peruíbe!

Washington Luiz de Paula

COMENTE ESTA POSTAGEM:

Leia também:

Acidente de trânsito mata e fere idosos na Luciano de Bona, em Peruíbe

Irresponsabilidade, imprudência e imperícia foram as causas que levaram a mais esta fatalidade Da Redação …

um comentário