Homem é flagrado e preso com dinheiro da facção PCC em Peruíbe

Irmão Ferrugem, como é conhecido, fazia a arrecadação em biqueira de Peruíbe

Durante revista no veículo, foi encontrada a quantia de R$ 6.400,00 (Fotos: Divulgação/Polícia Civil)

Eduardo Velozo Fuccia, em A Tribuna

Policiais da Delegacia de Peruíbe prenderam no início da madrugada de sexta-feira (4) um homem acusado de arrecadar o dinheiro de um ponto de tráfico para a facção Primeiro Comando da Capital (PCC).

Morador na Vila dos Pescadores, em Cubatão, Éberson de Lima Ponciano, o Irmão Ferrugem, de 30 anos, dirigia um Volkswagen Logus cinza, que foi interceptado na marginal da Rodovia Padre Manuel da Nóbrega, no Bairro dos Prados, em Peruíbe.

Até aquele momento, os investigadores Osni Muri, Felipe Di Carlo e Edmundo Moschetta não sabiam quem era Irmão Ferrugem, mas reuniam informações de que o motorista de um Logus cinza atuaria como “arame” da facção criminosa.

De acordo com os policiais civis, “arame” é a palavra usada pelo PCC para designar a pessoa incumbida de recolher os valores obtidos com o comércio de entorpecentes.

No caso do motorista do Logus, ele faria a arrecadação do dinheiro na biqueira (ponto de tráfico) identificada como “Loja da Coreia”, localizada na área conhecida por Matinha, na Vila Erminda.

Irmão Ferrugem negou qualquer ligação com o tráfico, mas não soube explicar o que fazia naquele horário em Peruíbe, apesar de morar em Cubatão. Durante revista no carro, os investigadores encontraram a quantia de R$ 6.400,00.

“O dinheiro estava escondido no compartimento de ventilação. Para achá-lo, tivemos que desmontar parcialmente o painel”, informou o investigador-chefe Osni Muri.

Com a apreensão da quantia, Irmão Ferrugem admitiu ser “arame”, segundo disseram os policiais. O delegado Bruno Mateo Lázaro autuou o acusado em flagrante por associação para o tráfico e organização criminosa.

Em outro veículo estavam 547 porções de maconha e 1.792 cápsulas de cocaína

Drogas em carro podem ter relação

Após a prisão de Irmão Ferrugem, ainda na madrugada de ontem, os policiais da Delegacia de Peruíbe apreenderam um carro no qual havia centenas de porções de entorpecentes já preparadas para a venda a varejo.

As drogas estavam escondidas no fundo falso de um Renault Logan prata, atrás do banco traseiro. O veículo foi encontrado a quatro quarteirões de onde foi preso o “arame” do PCC e os investigadores acreditam haver ligação entre os casos.

“Não acreditamos em coincidências. Enquanto Irmão Ferrugem fazia  a coleta do dinheiro da biqueira com o Logus, o Logan deveria ser usado na distribuição das drogas”, declarou o investigador Osni Muri.

Segundo o policial, a pessoa que dirigia o Logan deve ter percebido a movimentação da viatura pela área e decidiu abandonar o automóvel trancado. No fundo falso foram achadas 547 porções de maconha e 1.792 cápsulas de cocaína.

O Logan está em nome de uma mulher, cujo atual paradeiro ainda é ignorado. Segundo o investigador, outros dois veículos pertencentes à mesma suspeita já foram apreendidos em operações relacionadas ao tráfico de drogas.

O nome dela não foi divulgação para não prejudicar a sequência das investigações. O delegado Bruno Lázaro requereu perícia para as drogas e no Logan, em especial no fundo falso usado para ocultar os entorpecentes.

Leia também:

Cão salva menina de 12 anos ao lutar com cobra e acaba internado: ‘Herói’

Cachorro lutou com um cobra de aproximadamente 2 metros, segundo a família. Por G1 Santos …