Algumas verdades (que doem) sobre o aumento do IPTU em Peruíbe

Reprodução - Agência Brasil/Débora Zampier

  • O IPTU em Peruíbe já vem de ser caro há muito tempo. Não é culpa da atual administração. Era caro no tempo do Gilson Bargieri prefeito. É caro hoje no tempo da Ana Preto prefeita. E vai continuar caro amanhã, seja o Gilson, a Ana ou Luiz Maurício prefeito.
  • O ajuste da alíquota é necessário. Imprescindível e urgente! Até para corrigir distorções do tipo de que tem gente morando em condomínio fechado pagando menos do que gente que mora numa casa simples no Ribamar.
  • A revisão da planta genérica de valores é também necessária e mais que urgente. Também tem imóvel que vale milhões com valor venal lá embaixo, mas também tem gente com imóvel com valor venal bem acima do que realmente vale seu imóvel. Quero ver um proprietário de um condomínio fechado vender sua casa pelo valor venal! Mas também quero ver aparecer comprador para pagar o valor venal de muitas casas em bairros simples da cidade!
  • 90% dos que serão afetados pelo ajuste da alíquota do IPTU – e consequente aumento – não são moradores de Peruíbe, não vivem na cidade. São VERANISTAS que não sabem dos problemas da cidade, e não irão sofrer nem um pouco com o reajuste. Eles sabem que ter cada na praia tem um preço a ser pago. E ter casa em Peruíbe e bem mais barato que ter casa na Riviera de São Lourenço (Litoral Norte), em Long Beach (EUA), ou no Principado de Mônaco (Europa). (É o mesmo que você ter uma canoa, que você pode esconder embaixo de qualquer árvore à beira rio, e ter uma lancha sofisticada, que você tem que pagar o aluguel de um peer para atraca-la).
  • 90% dos da população de Peruíbe não irão sofrer nem sentir nada em razão desse ajuste. Quem tem casa com valor venal até R$ 80.000 vai continuar pagando a mesma alíquota e, se for aposentado ganhando até três salários mínimo ou deficiente físico pode gozar da isenção do imposto conforme determina a Lei. Ou seja, o “aumento” não irá prejudicar você que é morador e trabalhador em Peruíbe.
  • É preciso que vocês tenham em mente uma coisa simples: quanto mais valor tiver seu imóvel, melhor terá que ser sua capacidade de adimplência. Você pode ter o dinheiro que tiver, pode até ser rico, mas, se você for para São Paulo, por exemplo, você pode escolher morar no Grajaú (Zona Sul) ou em Itaquera (Zona Norte), que vai pagar um “x” de imposto. Se achar que merece morar no Morumbi, tem que saber que o IPTU lá é bem mais alto!
  • Que vocês não permitam ser massa de manobra ou vaquinhas de presépio de ninguém! Pensem por vocês mesmos; façam suas próprias contas, e cobrem, saibam cobrar muito bem dos atuais e dos futuros mandatários (prefeitos e vereadores) que façam bom uso do dinheiro público, para que vocês tenham melhores serviços públicos, que deve ser a consequência imediata do aumento da arrecadação.
  • Chega de hipocrisia! Tem vereador que hoje faz discurso contra o aumento do IPTU que foi a favor da cobrança da taxa de iluminação pública no governo passado, o que tem sido considerado por muitos juristas como bitributação, e é uma excrecência tributária que hoje TODOS pagam bem quietinhos como se em nada alterassem em seus orçamentos.
  • Chega de hipocrisia! Tem vereador que hoje faz discurso a favor do aumento do IPTU que só o faz por ser “submisso” como chegou a dizer um elétrico vereador da Tribuna da Câmara.
  • Infelizmente, no Legislativo o fator que determina o ser contra ou o ser a favor de aumentos de tributos que onerem a população é saber quem enviou a lei. Em outras palavras, se a Milena tivesse ganhado a eleição, e mandasse ela uma lei dessas para a Câmara – e ela teria que mandar para não correr o risco de ver seu governo entrar em colapso –, se fosse a Milena Bargieri, o quadro mudaria, e a votação na sessão passada teria sido o contrário: 10 contra e 5 a favor.
  • Se vocês amam a cidade, paguem seus impostos. Preferencialmente em dia. Infelizmente vemos muita gente que tem dinheiro deixando de pagar seus impostos porque sabem que no próximo ano o desespero vai bater à porta do Executivo e eles vão fazer parcelamento de dívida, com isenção total de multas e de juros como está acontecendo agora – e que sempre aconteceu. Outros não pagam simplesmente porque não gostam deste ou daquele prefeito (ou desta ou daquela prefeita). Lamentável. Estes não sabem o que é cidadania.
  • A dívida ativa de Peruíbe deve estar na casa dos R$ 300 milhões. Ou perto do que o município arrecada em três anos (quase um mandato inteiro!). É preciso que o Executivo tenha coragem para levar TODA esta dívida para cobrança executiva e/ou judicial, inclusive apontando o nome dos devedores nos órgãos de proteção ao crédito (SPC/Serasa). E, se eu e você que eventualmente temos dívida com a prefeitura corrermos lá para acertarmos o que devemos quem irá ganhar não será só você, ou só eu: seremos todos nós que ganharemos.
  • Que vocês não acreditem que tenha alguém pensando na cidade. Pense você na cidade! Não tem santo nesta história. Santo sou eu. Santo é você. E, como santos, unamo-nos para exorcizar os demônios que têm tanto do lado de lá, como do lado de cá, para que a cidade tenha uma sociedade coesa, justa, e que pense como um coletivo, e não como um indivíduo.
  • A eleição de 2012 já passou. Quem ganhou, ganhou; quem perdeu, perdeu. Em 2016 tem mais. Mas não vamos comprometer o atual governo seguindo atrás destes discursos altamente suspeitos daqueles que já vêm confessando há tempos que são candidatos a prefeito nas próximas eleições, para os quais, portanto, o que interessa é o pior. Quanto pior, melhor!

Leia também:

Nota de falecimento – Selma Jerônimo