Ricardo Corrêa adianta-se na corrida eleitoral de 2016 e anuncia ser candidato a prefeito

Divulgação
Ricardo Corrêa (5º da esquerda para direita) com o grupo de apoio ao seu “novo PT”.

Da Redação

O vereador Ricardo Corrêa dos Santos (PT), de Peruíbe, é mais um a engrossar o já grosso cordão de pré-candidatos a prefeito para a eleição de 2016.

Embora este seja apenas o primeiro do atual governo comandado pela prefeita Ana Preto, e de as últimas eleições municipais terem acontecido há menos de um ano, não é surpresa para ninguém que frequenta as rodas políticas pelas esquinas de Peruíbe que a corrida eleitoral de 2016 já começou logo no primeiro dia deste ano.

O tema das eleições de 2016 é corrente também nas redes sociais, onde os grupos pró esse (ou essa) e aquele (ou aquela) candidato (ou candidata) têm feito disseminar principalmente a excrecência dos “fakes” (falsos, apócrifos) que não perdem oportunidade para não só defender seus candidatos afetivos, como também – e principalmente – ofender os desafetos.

Embora uns ainda neguem e tenham escondido a mão neste jogo de cartas marcadas e evidentes, a campanha de 2016 deverá ser tão pródiga de candidatos a prefeitos como têm sido nas últimas eleições com candidatos a vereadores. Não. Não haverá 200 candidatos a prefeitos, mas é bem possível que o eleitor de Peruíbe se debaterá em escolher o melhor – ou o menos pior – dentre pelo menos uma dezena de candidatos, se não chegar a duas dezenas!

Ninho de cobras

A começar da prefeita Ana Preto, que inexoravelmente será candidata à reeleição, com a promessa de inaugurar com ela uma reeleição jamais vista na história política de Peruíbe, existem hoje na base de apoio – e fazendo parte da administração – da prefeita pelo menos meia dúzia de nomes que concorrerão com ela em 2016. Em outros termos, ainda que tenham empenhado a palavra hoje de que apoiarão Ana Preto em seu projeto de reeleição, 2016 será ano em que qualquer vento – de norte ou de sul – será suficiente para levar a palavra empenhada para bem longe, como leva o vento as folhas dos chapéus-de-sol de Peruíbe todo outono.

Neste sentido, o próprio Ricardo Corrêa, que é vereador debutante, e solitário do PT na Câmara, mas que é também da base de apoio político da prefeita Ana Preto, seria o primeiro o abandonar o barco pretoriano. Com a ressalva de ele já segue avisando que fará isso desde agora, vez que não esconde de ninguém o seu desejo vir a ser primeiro prefeito legitimamente da oposição histórica de Peruíbe, oposição esta que até aqui vinha sendo representada pela ex-vereadora Maria Onira Betiolli Contel.

Para dar sucesso a este plano, o vereador Ricardo, que tem uma escola política bem fundamentada em seus muitos anos como militante no Sindicato dos Bancários e na CUT, já vem cuidando de dar ampla reforma ao seu partido na cidade que, ao que tudo indica, dentro em breve sai das mãos totalitárias de Onira e seu companheiro, José Márcio dos Santos Cunha, que sempre foi considerado uma espécie de “Rasputin” de Onira, para ser entregue ao funcionário público e sindicalista José Alves de Aguiar (Zé Alves), com a preocupação de fazer disso um “novo PT” em Peruíbe.

Ricardo Corrêa, no entanto, parece ser não só o primeiro a se declarar pré-candidato a prefeito. Mas também – e pelo menos – o mais sincero. E verdadeiro.

O atual vice-prefeito de Ana Preto, Nelson Gonçalves Pinto (Nelsinho do Posto), que já foi vice da ex-prefeita Milena Bargieri, não poderá mais sê-lo. Ou seja, nas próximas eleições, ou ele pleiteia voltar para a Câmara, ou resolve criar coragem e sair candidato a prefeito mesmo. Difícil de esconder que ele mesmo – Nelsinho – tenha pretensão mesmo de ser prefeito, até porque seu irmão Oswaldo agora é vereador, e vem de tomar gosto pela cadeira legislativa. Ou seja, é quase certo que Nelsinho do Posto venha a ser candidato a prefeito em 2016 mesmo.

Outro nome que não tem escondido sua pretensão de vir a ser prefeito de Peruíbe um dia é o atual presidente da Câmara, José Ernesto Lessa Maragni Júnior – Zeca da Firenze ou Diácono Zeca. O vereador já foi candidato a prefeito nas penúltimas eleições depois de dois mandatos como legislador. O seu vice foi o advogado Luiz Maurício Passos de Carvalho Pereira (Dr. Luiz Maurício), hoje também vereador debutante, e o principal nome da oposição ao atual governo na Câmara hoje.

Luiz Maurício está em franca campanha para prefeito. É possível que negue, mas a pretensão não é só sua, mas também de seu partido – o PSDB – que tenta juntar os cacos para se reerguer em importância política na cidade como outrora foi com seu então representante máximo, o prefeito Dr. Alberto Sanches Gomes. Os tucanos se ressentem de uma liderança mais consistente desde o ocaso do governo do Dr. Alberto, e o vereador Luiz Maurício pode vir a representar este resgate.

Especula-se que a dobradinha de 2008 – Zeca da Firenze/Prefeito e Dr. Luiz Maurício/Vice – possa se inverter em 2016, com Zeca da Firenze vindo a ser o vice do provável candidato a prefeito tucano, especulação que o próprio Zeca nega, muito embora todos saibam que, no campo na política nada mais surpreende ninguém.

Um terceiro nome dentre os prefeituráveis que estão no “ninho da águia” hoje, é o do ex-vereador José Gomes Pedro de Oliveira, atual secretário de Turismo da cidade.

Oliveira vinha de três mandatos – todos com votações expressivas – e ninguém duvida que estivesse reeleito agora novamente. Pego no contrapé da vaidade, já que chegou a ser indicado como vice de Ana Preto no início da campanha no ano passado, Oliveira empenhou sua palavra de apoio a seu até então fiel escudeiro e assessor de gabinete Rafael Vitor de Souza. Embora tenha sido tentado a voltar atrás, o peso de sua promessa prevaleceu, e Rafael acabou se elegendo em seu lugar.

Muito mais bem sucedido na política do que de repente em sua carreira como militar (hoje reformado), Oliveira já deu provas de sua força política, tendo feito vereadores pelo menos três de seus antigos assessores tal como já ficou registrado em matéria aqui neste blogue.

Por estes atributos, Oliveira pode ser candidato forte, ou pré-candidato a prefeito em 2016.

Na oposição

Dentre os candidatos que concorreriam com Ana Preto em 2016, e que não são de sua base de apoio, pode-se enumerar alguns nomes como o do próprio Dr. Luiz Maurício, já mencionado parágrafos acima.

O ex-prefeito Gilson Bargieri que poderia representar a oposição mais relevante não poderá ser candidato novamente. Condenado em outro de seus muitos processos de desvios e irregularidades enquanto foi prefeito de Peruíbe, Gilson teria que ceder a vez novamente a sua filha, Milena Bargieri, ex-prefeita, ou então a um nome que vem sendo cotado e crescendo substancialmente no principal reduto eleitoral da família Bargieri – o Caraguava, que é o do ex-vereador Alex Matos.

Alex viveu toda sua vida no Caraguava e não há que não o conheça no bairro. Figura emblemática das administrações comandadas pela família Bargieri, considerado uma espécie de “eminência parda” a serviço de Gilson Bargieri, o ex-vereador pode sim fazer a diferença no embate eleitoral de 2016. Principalmente se Gilson, com seu sempre vigoroso discurso (nada convincente, convenhamos), subir no palanque para apoiá-lo.

Outro ex-vereador que já está na corrida pré-eleitoral é Emer Elias Abou Jaoude. Vereador de um mandato, Emer só não se reelegeu vereador porque decidiu se “aventurar” a ser o vice da candidata petista no ano passado, Onira. Juntos, ele e Onira lograram levar para seus cofres eleitorais perto de um terço dos votos da cidade, votação esta que muita gente jura ser pelo menos 80% dele, Emer. Se isto for verídico, o cacife eleitoral de Emer estaria estimado em 23% do eleitorado de Peruíbe, ou, em números absolutos, de hoje, considerando um eleitorado na casa dos 52.000, algo em torno de 12.000 votos. Considerando que Ana Preto se elegeu com pouco menos que 38,30% dos votos válidos (o que daria algo em torno de 20.000 dos votos totais), Emer pode estar mais próximo de se eleger prefeito em 2016 do que pode fazer crer todas as suposições e conjecturas feitas por todos os pensadores da política peruibense.

Nomes alhures e algures

Na paralela das forças políticas tradicionais – ou ao menos correntes – aparecem nomes que, se não têm a expressão que o poder financeiro proporciona, ou mesmo a força política oferecida por um partido mais sólido, podem fazer a diferença, senão por vir a trazer a surpresa da “zebra” eleitoral, ao menos por dividir o eleitorado, o que pode ser bom e até útil para um e outro candidato considerado do “alto clero” em Peruíbe.

Nomes como os do ex-prefeito Alberto Sanches Gomes (Dr. Alberto) e até do enigmático Mário Omuro, que foi prefeito e vereador na cidade, ainda podem ser ouvidos aqui e ali como prováveis candidatos. Julieta Omuro também tem seu fã-clube cativo junto ao eleitorado de Peruíbe, embora bem menos representativo que quando debutou na política, em 2000, vindo a ser a vice-prefeita de José Roberto Preto – depois prefeita, em razão da morte e JR Preto.

Para os saudosistas, o quatro vezes prefeito, uma vez vice-prefeito, e vereador emancipador de Peruíbe, Benedito Marcondes Sodré, que está no meio da casa dos 80 anos, bem que merecia levar para a posteridade um “penta” mandato. Evidente que ele declina, mas em seu sorriso maroto, você ainda pode ler que “se o cavalo passar encilhado…”.

O empresário do ramo de seguros Wanderlei Abrahão de Paula, que representa uma das famílias mais antigas da cidade, também é promessa para 2016. Candidato a vereador nestas eleições, sagrando-se segundo suplente, Wanderlei é aposta de um reduto cada vez mais crescente que reclama um candidato que seja da terra, que tenha raízes na cidade.

Embora sua base de eleitorado esteja basicamente na Estação e no Centro, um pouco mais de apoio e incentivo pode fazer sua campanha decolar. Sua eleição, contudo, poderia vir a ser considerada a segunda grande zebra política de Peruíbe, depois da eleição para prefeito de Dr. Alberto, em 1996. Na época, Dr. Alberto concorria com outros três fortíssimos candidatos. Lanterninha em todas as pesquisas do começo ao fim da campanha, Dr. Alberto acabou ganhando aquelas eleições, surpreendendo a todos. (Curiosamente, Dr. Alberto é hoje o grande “guru” político de Wanderlei de Paula. Se ele passou a “receita” de 1996 para seu afilhado, podem esperar pela zebra que ela pode estar a caminho).

Outros nomes poderiam ser enumerados dentre os que anseiam por vir a ser prefeito de Peruíbe. O empresário Ricardo Baldin é um deles. A médica Dra. Ana Lúcia, que já foi candidata a prefeita, outra. O ex-vereador e presidente da Câmara, e ex-vice-prefeito, José Carlos Rúbia de Barros, também está à espreita, esperando sua oportunidade. A professora e ex-vereadora Onira também não negaria que teria desistido de suas pretensões políticas majoritárias. O empresário médico Dr. César Kabbach Prigenzi, que também já foi vereador, não consegue esconder o orgulho ferido de não ter aparecido ainda a sua oportunidade. E até mesmo o ex-vereador Alexkessander Veiga Mingroni (Kiko), que vez ou outra faz questão de rememorar seu famoso bordão “Kiko 100% Peruíbe”, para dar azo a que está bem vivinho, e, perspicaz como é, ainda chega lá. Senão em 2016, quem sabe no futuro. Afinal, ele é novo ainda.

Leia também:

Nota de falecimento – Selma Jerônimo