Início / GERAIS / Suspeito usou cão de vítima para facilitar morte de família, diz polícia
Joomla extensions, Wordpress plugins
Joomla extensions, Wordpress plugins

Suspeito usou cão de vítima para facilitar morte de família, diz polícia

Suspeito de mandar matar pai, tia e prima foi preso com dois comparsas. Ele saiu para passear com cachorro e entregou chave de casa a namorado.
Foto: Mônica Dias/G1 AM
Jimmy (esq.), Rodrigo (centro) e Ruan Pablo (dir.) são suspeitos de assassinar família em Manaus
Foto: Divulgação/Polícia Civil
Gabriela com o cachorro Rick; animal também foi morto na casa

Marina Souza e Mônica Dias, do G1 Amazonas

O suspeito de mandar matar o pai, a tia e a prima em Manaus, Jimmy Roberto, de 33 anos, aproveitou para entregar a chave da casa aos assassinos durante um passeio com o cachorro das vítimas, conforme divulgou nesta quarta-feira (23) o delegado titular da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), Divanilson Cavalcanti. A tia e a prima foram mortas na segunda-feira (21) e o pai de Jimmy, na madrugada de terça-feira (22).

Além de Jimmy, foram presos pelos assassinatos o namorado dele,  Rodrigo de Moraes Alves, de 19 anos, e Ruan Pablo Bruno Cláudio Magalhães, de 18 anos. Segundo o delegado, Jimmy teria facilitado o acesso às vítimas, fingindo estar fazendo uma visita à família. O homicídio havia sido planejado por três semanas.

Segundo a polícia, o trio preparou um kit para cometer os crimes, contendo um revólver calibre 38, uma faca, um estilete, uma corda e amoníaco. Eles usaram luvas e optaram por não usar a arma de fogo para não fazer barulho. Todas as mortes seguiram as mesmas características.

Passeio com o cão

De acordo com o delegado, por volta de 17h30, Jimmy entrou no condomínio com a desculpa de ir ao apartamento pegar uma agenda. O suspeito foi atendido pela prima, Gabriela Belota, de 26 anos. A estudante recebeu Jimmy e seguiu para o seu quarto. Com a desculpa de que não tinha encontrado a agenda, o suspeito teria falado para Gabriela que iria passear com o cachorro da vítima, chamado Rick.

O suspeito, segundo a polícia, saiu então com o cachorro para caminhar pelo condomínio, e deu a chave do apartamento para os dois comparsas. O namorado de Jimmy, Rodrigo de Moraes Alves, é apontado como o responsável pela morte de Gabriela. A jovem teria sido atacada e asfixiada com um pedaço de película que escurece vidro de carro. A universitária tentou se defender, arranhando o pescoço de Rodrigo, mas morreu sufocada. Como a jovem demorou a desmaiar, os suspeitos desferiram ainda um corte no pescoço da vítima.

Segundo a polícia, Jimmy voltou então para o apartamento com o cachorro para aguardar a tia, Maria Gracilene Belota. Como o animal estava latindo, ele teria pedido aos suspeitos que matassem o animal. Ele foi degolado. A informação divulgada inicialmente de que o animal havia sido encontrado debaixo da cama de Gabriela foi alterada pela perícia: o laudo aponta que ele tenha sido pendurado na sala, em um armador de rede.

Por volta das 20h30, imagens das câmeras de segurança mostram a mãe de Gabriela chegando ao local. Ela foi surpreendida pelos três e morta na sala da casa. Segundo a polícia, eles espancaram a vítima e cortaram seu pescoço com um estilete.

Depois de matar a tia, a prima e o cachorro, o trio saiu no carro em que chegaram, um Gol de cor prata, e levaram também o veículo de Gabriela, um Fiesta vermelho. Eles seguiram para um motel localizado próximo à Ponte Rio Negro, onde tomaram banho para tirar as marcas de sangue dos homicídios. Após se limparem, os suspeitos foram para a casa do pai de Jimmy, Roberval Roberto de Brito, no bairro São Raimundo, Zona Oeste de Manaus, onde o mataram na madrugada de terça-feira (22).

Ainda segundo o delegado, o crime foi cometido por uma herança de R$ 200 mil que seria deixada pelo pai de Jimmy, Roberval. Gabriela e Maria Gracilene teriam sido mortas porque, segundo a polícia, elas eram beneficiadas por um inventário. O delegado relatou ainda que Jimmy tinha raiva do pai porque Roberval recebia uma pensão de R$ 3 mil e só repassava R$ 500 para o filho, entre outros conflitos familiares.

Os três suspeitos foram encaminhados à Cadeia Pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoa, no Centro de Manaus. Eles foram indiciados por triplo homicídio qualificado, formação de quadrilha e maus-tratos de animal. Além disso, Rodrigo deverá responder por porte ilegal de arma.

Filho de vítima acompanhou investigações

Suspeito de ser o mandante dos assassinatos do próprio pai, da tia e da prima, Jimmy esteve presente durante as investigações da polícia no Condomínio Parque Solimões, Zona Sul de Manaus. A informação foi confirmada pelo diretor do Departamento de Polícia Metropolitana, Emerson Negreiros. “O Jimmy chegou a passar mal no condomínio onde a tia e a prima moravam, chegando a ser medicado por uma vizinha. O Rodrigo, namorado dele, foi o próximo a aparecer. Naquele momento, a Polícia já levou os dois para prestar o depoimento, que foi quando houve a confissão do Rodrigo”, relatou Negreiros.

O delegado destacou ainda que, no condomínio, as marcas no pescoço e nos braços de Rodrigo, que, supostamente, seriam das unhas de uma das vítimas, chamou a atenção dos policiais. “Além disso, a cena do crime, sem nenhum tipo de arrombamento, também levantou dúvidas. A casa estava pouco revirada para uma situação como essa. O Jimmy não só morou no apartamento como possuía a chave de lá.  Ele entrou no condomínio junto com o Rodrigo e o Bruno (outro participante do crime) em um carro modelo Gol, sem maiores dificuldades, porque já era conhecido no local”, acrescentou.

No momento em que foram detidos, na terça-feira, a polícia encontrou revólver calibre 38. Entre os materiais apreendidos com os suspeitos estavam peças de roupa ensanguentadas de Rodrigo. No entanto, Negreiros afirmou que a arma dos crimes, um estilete, ainda não foi localizada.

Foto: Reprodução/TV Amazonas
Mãe e filha foram mortas em apartamento

Maria Gracilene e a filha Gabriela Belota foram encontradas mortas pela empregada doméstica por volta das 8h, na manhã de terça (22). Segundo a polícia, ambas apresentavam sinais de estrangulamento, no apartamento da família, localizado no Condomínio Parque Solimões, Zona Sul de Manaus.

O corpo da filha, que era estudante do curso de Odontologia, da Universidade do estado do Amazonas (UEA), estava em cima de uma cama, enrolado em um lençol e o da mãe, que era coordenadora-geral de Comércio Exterior da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), no corredor da residência. O cachorro da família também foi encontrado morto.

O pai de Jimmy, Roberval Roberto de Brito, de 63 anos, foi encontrado morto também na terça-feira, na casa em que vivia. Conforme a Polícia Militar, ele foi encontrado jogado em cima da cama com as mãos amarradas, também com sinais de estrangulamento

COMENTE ESTA POSTAGEM:

Leia também:

Terceira edição da live do prefeito Luiz Maurício, no Facebook, tem Secretário de Turismo, Esporte e Cultura como destaque

COMENTE ESTA POSTAGEM: