Suspeito de sequestro é preso por assassinato em Itanhaém

Fernando Diegues, de A Tribuna

A investigação sobre um sequestro, ocorrido em Mongaguá, resultou na prisão de um suspeito, Eduardo Ferreira dos Santos Soares, o Edu, de 30 anos, em Itanhaém. Ele já constava como procurado da Justiça, acusado de participação no assassinato de um policial, em Praia Grande, no ano passado.

Edu foi encontrado em uma casa na Rua Verde Mar, Vila Loty. Por volta das 16h30 de quinta-feira, uma equipe da Delegacia Anti Sequestro (Deas) de Santos foi até o imóvel e deteve o suspeito. Segundo o delegado Carlos Alberto da Cunha, também houve a apreensão de um carro, um Peugeot 206, cinza, e uma faca.

Cunha comentou que há suspeita de que o veículo foi utilizado no sequestro do filho de um comerciante de Mongaguá, de 17 anos. Será apurado também se a faca foi usada no crime.

Negou

Conforme dados da polícia, Edu participou do arrebatamento do adolescente. Segundo o delegado, o detido negou qualquer ligação com o sequestro e indicou outro homem, conhecido pelo apelido Criatura, como um dos envolvidos no crime.

Durante os trabalhos, foi constatado que o detido tinha um mandado de prisão temporária expedido pela 2ª Vara Criminal de Praia Grande.

As investigações sobre o sequestro do adolescente em Mongaguá continuam. Denúncias podem ser feitas por meio do telefone 3228-6451. Não é necessário se identificar.

Adolescente foi levado de casa

O adolescente foi sequestrado em sua casa, em Mongaguá, na manhã de 15 de março. Ele passou cerca de 19 horas em um matagal e foi liberado sem pagamento de resgate.

Segundo o apurado na ocasião, o pai do jovem, que é comerciante na Cidade, saía para trabalhar quando foi rendido, no portão, por um casal. A dupla estava armada e anunciou o assalto.

O comerciante foi levado para dentro da residência, onde estavam a mulher e o filho dele. Todos foram obrigados a deitar no chão, sem olhar para os marginais.

Outras duas pessoas entraram na casa e começaram a revirar o imóvel. O grupoo procurava cofre ou dinheiro, mas nenhum valor foi encontrado.

Por causa disso, o adolescente foi levado. Os autores alegaram que ficariam com o jovem “até aparecer o dinheiro” e fugiram no carro da família.

Abandonado

O automóvel foi achado abandonado a algumas quadras da residência. Foi feito contato com a família, pedindo resgate, cerca de uma hora e meia depois.

A vítima ficou em um matagal, distante cerca de dois quilômetros de sua casa. Uma calça esportiva foi utilizada para amarrar o jovem. Por volta da 1 hora do dia 16, os marginais acabaram soltando o filho do comerciante. Nenhum valor foi pago.

Leia também:

Cão salva menina de 12 anos ao lutar com cobra e acaba internado: ‘Herói’

Cachorro lutou com um cobra de aproximadamente 2 metros, segundo a família. Por G1 Santos …