Homem nu, morto com mais de 10 facadas, ainda tem corpo arrastado para fora da casa

Foi uma madrugada sangrenta na Grande Cuiabá com o registro de dois crimes de assassinato. Nos dois acasos ninguém foi preso ainda

José Trindade, no 24HorasNews

Duas pessoas assassinadas quase no mesmo horário. Uma pessoa com passagens pela Polícia, que deveria estar presa foi executada  com vários tiros em Cuiabá. A outra levou mais de uma dezena de facadas em cima de uma cama, nua, e ainda foi arrastada e jogada do lado de fora da casa em Várzea Grande.

Passavam das quatro horas da madrugada deste sábado (28), quando um homem  identificado como Elias Frreira Nobre, de 43 anos, chegou à casa da ex-namorada dele, no Jardim União, em Várzea Grande (Grande Cuiabá).

Elias, segundo testemunhas contaram à Polícia foi direto para o quarto onde dormia nu um homem identificado apenas como Rogério. Foram várias facadas. “Mais de dez”, calculou o policial.

Enfurecido, Elias ainda segundo a Polícia, arrastou o corpo do desafeto de cima da cama para frente da porta da rua, onde foi deixado, nu e ensanguentado. Depois, sem dizer nada, o assassino fugiu e ainda não foi preso.

O corpo do homem que deu entrada no Instituto Médico Legal (IML) como Não Identificado (NI) – a vítima não portava documentos -, foi liberado por investigadores da Delegacia de Homicídio e Proteção a  Pessoa (DHPP), chefiados pelo delegado Antonio Carlos Garcia de Mattos.

“Foi um crime passional. A vítima estava namorando a ex-namorada do assassino. Matou e fugiu”, confirmou o delegado Garcia. A Polícia Militar fez buscas pela região, mas até o momento ainda não conseguiu prender o matador que teria fugido na garupa de uma moto.

Execução

Logo em seguida, por volta das 4h340 da madrugada deste sábado, investigadores da DHPP foram fazer a liberação de um corpo na Avenida Espigão, no bairro Tijucal, região do Coxipó, na zona urbana da Capital.

Marcelo Fabiano Laert do Nascimento, 34 anos, com passagens pela Polícia por crimes de furto e roubo. Inclusive, segundo a Polícia, Marceçlo foi preso nesta quarta-feira (25), mas não se sabe por que foi liberado.

Segundo testemunhas contaram à Polícia Militar, dois homens chegaram de moto e o que estava na garupa desceu e disparou pelo menos seis tiros, dos quais quatro atingiram Marcelo, inclusive um na cabeça. A Polícia confirma que foi uma execução. “Foi uma queima de arquivo ou um acerto de contas”, comentou um policial militar.

Leia também:

Nota de falecimento – Selma Jerônimo