Polícia encontra objetos pessoais de Luanny na casa do acusado do crime

Foto: Polícia Civil - DivulgaçãoDo Portal Amazônia
MANAUS – Equipes da Polícia Civil (PC) do Amazonas vistoriaram, na tarde deste sábado (12), a residência do principal suspeito pelo homicídio da estudante Luanny de Brito Santos, de 14 anos, na última quinta-feira (10). Na casa de Aclenilson da Silva Maximiano, 21, os policiais encontraram objetos pessoais da vítima. Segundo os investigadores, os materiais recolhidos já indiciam o acusado como o autor do crime.
O trabalho de coleta de provas contra Maximiano movimentou três equipes do 6º Distrito Integrado de Polícia (DIP) e uma do Instituto de Criminalística. No local onde o acusado morava, os investigadores recolheram um caderno com o nome da estudante e uma bolsa porta celular, além da blusa usada no crime. De acordo com a PC, o pai da estudante reconheceu os materiais.
Materiais da adolescente encontrados na casa do acusado - Foto: Polícia Civil/Divulgação Para o delegado titular do 6º Distrito Integrado de Polícia (DIP), Ricardo Leite, a coleta de provas materiais era a única etapa que faltava para indiciar Maximiano como o autor da violência contra a estudante. Com isso, o acusado foi flagranteado por estupro e roubo e será encaminhado à Delegacia Especializada em Homicídio e Sequestro (DEHS), onde deve ser indiciado pela morte da estudante.
Foto: Polícia Civil/Divulgação Segundo as últimas informações, Maximiano negou a autoria dos crimes e apontou Pereira Pessoa Filho, o “ Kiko”, preso na quinta-feira (10), como o assassino da adolescente. “Kiko“, que foi solto por falta de provas, presta novo depoimento à Polícia sobre o caso.

Acusado reconhecido

Três vítimas já fizeram o reconhecimento de Maximiano pelos crimes de roubo ou estupro. Entre elas está uma balconista, que declarou, em depoimento, ter visto o mesmo homem que lhe assaltou correr ao sair do local  próximo de onde Luanny foi encontrada morta. Ela contou ainda que foi abordada pelo mesma pessoa, com uma faca suja de sangue, possivelmente a mesma arma usada contra a adolescente. As descrições foram repassadas para o investigador responsável pelo retrato falado do suspeito, divulgado ontem (11).
Retrato falado produzido com base nos depoimentos das testemunhas e, ao lado, o acusadoOutras duas mulheres também reconheceram Maximiano. Ambas foram vítimas do acusado na manhã deste sábado. Após roubar uma industriária de 32 anos, ele teria estuprado e roubado outra industriária de 25 anos, que estava em uma parada de ônibus, na Avenida Noel Nutles, bairro Cidade Nova, zona Norte da capital. Todas as vítimas afirmaram que o acusado, nas abordagens, segurava uma faca com a mão esquerda. A Polícia confirmou que Maximiano é canhoto.
Nas declarações aos investigadores, a vítima de estupro disse que Maximiano lhe ameaçou, dizendo que, se ela não fizesse tudo que ele mandasse, ela teria o mesmo fim da estudante Luanny. Já a outra vítima do acusado, a industriária de 32 anos, fez o reconhecimento enquanto registrava o roubo no 6º DIP.

Leia também:

Cão salva menina de 12 anos ao lutar com cobra e acaba internado: ‘Herói’

Cachorro lutou com um cobra de aproximadamente 2 metros, segundo a família. Por G1 Santos …