‘Crime do Eldorado’ é mais um que envolve ‘garotos de programa’

RELAÇÕES PERIGOSAS – Assassinatos do comerciante José Haickel, do empresário Maurício Gomes e do vendedor Oziel Lira também tiveram participação de jovens pagos para ter relações sexuais, segundo a polícia

Por Oswaldo Viviani, no Jornal Pequeno
O assassinato do clínico geral Aderson da Costa Veloso, de 61 anos, diretor do Hospital Aquiles Lisboa – encontrado morto por enforcamento na manhã da última quarta-feira (8), em sua mansão, no Jardim Eldorado (área do Turu) – foi o quarto ocorrido em São Luís em menos de dois anos em que a polícia aponta o envolvimento de “garotos de programa”. Os assassinatos do comerciante José Antônio Haickel Júnior, de 41 anos, do empresário Maurício Costa Gomes, 36, e do vendedor Oziel Oliveira Lira, 26, também foram praticados, de acordo com as investigações policiais, por jovens conhecidos das vítimas e que eventualmente eram pagos para ter relacionamento sexual com elas.

Morto a pauladas

No dia 18 de fevereiro do ano passado, foi preso na área do Santo Antônio, onde morava, o vendedor de pastéis Wellington Sousa Lira, de 21 anos, acusado de assassinar a pauladas o comerciante José Antônio Haickel Júnior, 41, na madrugada de 17 de fevereiro. O crime aconteceu no apartamento da vítima, no Edifício Pavão, localizado no Condomínio Novo Tempo II (Bairro do Cohafuma). Haickel Júnior era proprietário da lanchonete Ali Babá, no São Francisco.
Em seu depoimento à polícia, o acusado disse que, mesmo sendo casado, mantinha um relacionamento homossexual com Haickel Júnior há mais de um ano, por causa de dinheiro. Afirmou que recebia semanalmente do comerciante entre R$ 50 e R$ 70. “Matei porque ele [Haickel] insistia para que eu fosse o ‘passivo’ da relação”, afirmou Wellington, que foi preso portando um celular da vítima. A arma do crime foi o pé de uma cama, encontrado pelo criminoso no apartamento de Haickel Júnior.

‘Crime da Lagoa’

Em 25 de junho passado, a polícia apontou Marcelo Cleiton dos Passos, de 23 anos, como o autor do assassinato do empresário Maurício Costa Gomes, 36. Para a polícia, Maurício foi morto por Marcelo no mesmo dia em que desapareceu – 25 de junho de 2009. Em 14 de julho, dezenove dias depois do desaparecimento, o corpo do empresário foi encontrado num mangue da Lagoa da Jansen.
O delegado Milton de Jesus Pereira, que presidiu o inquérito, disse que a motivação seria um sentimento de ciúme de Marcelo em relação a outro jovem – Carlos Alberto Viegas Rodrigues, 23. Ambos, segundo a polícia, se relacionavam sexualmente com Maurício Gomes.
De acordo com os autos, Marcelo confessou o crime com detalhes. O depoimento foi gravado em vídeo e aconteceu no Ministério Público, na presença do promotor Marco Aurélio Rodrigues. “Marcelo contou-nos que no lugar em que se encontraram, o local do crime, Maurício começou a falar muito sobre a ausência de Carlos Alberto. Por conta dessas demonstrações de afeto de Maurício a Carlos Alberto, Marcelo teria perdido o desejo de se relacionar sexualmente com o empresário”, afirmou o delegado Milton Pereira. Mesmo sem consumar a relação sexual, Marcelo teria retirado R$ 20 do bolso de Maurício, ocasião em que os dois se atracaram e, segundo Marcelo, ele caiu com o braço forçando o pescoço do empresário, circunstância que causou sua morte.

Apesar da confissão, o pedido da prisão de Marcelo foi negado pela Justiça, sob a argumentação de que ele não tem antecedentes criminais, colaborou com a polícia sempre que requisitado e tem residência fixa.
Os advogados da família do empresário rejeitaram a versão policial e requereram na Justiça o prosseguimento das investigações.

Facada no pescoço

Na madrugada de 3 de fevereiro último, o vendedor Oziel Oliveira Lira, de 26 anos, foi assassinado com uma profunda facada no pescoço, em sua casa, na rua 13, Bairro Cidade Olímpica. O corpo de Oziel – que trabalhava numa loja de calçados num shopping de São Luís –, foi encontrado pela irmã dele, Andréa Oliveira Lira, no banheiro da residência, para onde foi arrastado pelo assassino.
Acusado pelo homicídio, o adolescente D.F.S., de 17 anos, frequentador habitual da casa de Oziel, foi preso em 14 de maio, no município de Presidente Vargas (a 174 km de São Luís). Com ele, a polícia encontrou um notebook, um celular, um par de tênis e uma mochila – todos objetos pertencentes a Oziel.
O adolescente afirmou à polícia que matou o vendedor porque este não quis pagá-lo, depois de uma relação sexual frustrada.

‘Crime do Eldorado’ está praticamente elucidado

O homicídio que vitimou o clínico geral Aderson da Costa Veloso, 61, na quarta-feira (8), está praticamente elucidado. O delegado Maymone Barros, da Delegacia de Homicídios, não tem dúvidas de que Danielson da Silva Cutrim, 23 (até ontem foragido), que mantinha relações sexuais em troca de dinheiro com o médico, é o autor do crime.
As câmeras de segurança do Supermercado Mateus do Turu registraram as imagens de Danielson na companhia da vítima, na noite de terça-feira (7). Na mesma noite ou na madrugada de quarta, Veloso foi enforcado com um cinto e o cordão de seu roupão, além de ter sido golpeado várias vezes na cabeça com um abajur. Danielson teve sua prisão preventiva pedida na sexta pelo delegado Maymone.

Na quinta-feira (9), foi preso Daienison de Almeida, o “Deny”, 26, acusado de participação no homicídio. Em sua casa, na Unidade 205 da Cidade Operária, a polícia encontrou alguns objetos roubados do médico após o crime: uma TV de plasma, um notebook e um aparelho de som de carro.
“Deny” confessou, segundo a polícia, ter sido convidado por Danielson, para dirigir o carro da vítima – uma caminhonete L-200 prata – com os pertences roubados. Ele foi autuado em flagrante pelo crime de latrocínio (homicídio e roubo).

Leia também:

Nota de falecimento – Selma Jerônimo