Início / GERAIS / Caixa de Pandora

Caixa de Pandora

O STJ decidiu que a cobrança de honorários a título de sucumbência por parte de defensor público, como os advogados da prefeitura, por exemplo, enquanto defendam interesse da entidade da qual são funcionários, é indevida.

Para o ministro do STJ Luiz Fux “a Lei 8.906/94 determina que os honorários sucumbenciais pertençam ao advogado. Ora, ressoa evidente que se o advogado é o defensor público, esta verba não pertence a ele, mas ao Estado para o qual presta o seu múnus. Tanto o é que estes honorários são destinados ao Fundo de Aparelhamento da Defensoria”.

A decisão daquele Superior Tribunal de Justiça pode abrir uma caixa de inúmeras surpresas, e acabar com privilégios que beneficiam quatro ou cinco advogados apenas em nossa cidade. Para ter uma ideia, só no caso de Peruíbe, onde a dívida ativa chega à casa dos R$ 150 milhões, a premissa de ganhos destes advogados é da ordem de R$ 15 milhões (10% do valor da dívida ativa), a serem pagos enquanto durarem as entradas como resultante da cobrança dos ativos do município.

Conheça a sequência dos Pontos & Contrapontos e Arengas.
COMENTE ESTA POSTAGEM:

Leia também:

“Peruíbe só não parou porque fornecedores confiam no Governo”, diz o prefeito Luiz Maurício, falando sobre a crise que atinge mais da metade dos municípios brasileiros

Prioridade tem sido o pagamento de pessoal também em Peruíbe Da Redação Uma relação de …